Como Lançar a sua Startup?

Quais são os conceitos, técnicas, vantagens e cuidados que Você deve tomar ao criar esse tipo de empresa?

Como tirar a ideia do papel? Qual a estrutura necessária? É necessário um investidor para escalar o negócio?

Qual conceito de Startup? 

É um modelo de empresa que tem como objetivo principal solucionar uma dor de mercado, que seja DISRUPTIVA e ESCALÁVEL ao mesmo tempo, com a implantação da tecnologia para a obtenção de resultados.

Qual deve ser minha preocupação inicial?

Há duas preocupações que vão ao encontro de toda ótica e todo direcionamento estratégico das empresas, sendo uma de critério SUBJETIVO e outra de critério OBJETIVO.

Em relação ao critério SUBJETIVO, você deve criar uma startup que resolva uma dor de mercado com uma solução DIFERENTE, ou que IMPLEMENTE algo que não está sendo bem feito na sociedade, por exemplo: a execução do serviço/produto não está satisfatória ao consumidor ou a entrega não está sendo feita a contento. 

Além disso, o empresário deve ter um PROPÓSITO atrelado ao seu negócio que não tenha como foco principal ganhar dinheiro, mas sim realmente trabalhar na solução e alcançar o resultado desejado.

Já para o critério OBJETIVO, deve ser criado um modelo de negócio focando nas:

  • OPORTUNIDADES
  • AMEAÇAS
  • PONTOS FORTES
  • PONTOS FRACOS

Por exemplo: como vai ser gerada essa receita, como vai entregar o seu produto ou serviço, como vai captar clientes, quais serão os seus custos, quais serão suas despesas, quem serão os seus principais concorrentes, como vai ser entregue esses resultados para os seus clientes e, eventualmente, para os seus investidores.

Tudo isso deve ser mapeado, e um ponto muito importante: depois de completamente formatado, é necessário a VALIDAÇÃO do negócio, ou seja, ver se aquela solução cabe no mercado e se vai ter a TRAÇÃO necessária para obter os resultados desejados.

Qual primeiro passo para Você estruturar essa startup?

1º – CONTRATE PROFISSIONAIS QUE TE DIRECIONEM:

Profissionais que já tenham experiência no mercado de startups, até para que eles possam fazer com que o negócio seja validado com mais rapidez; quem são? São os CONTADORES que vão formatar todo o quadro societário da empresa e os ADVOGADOS, que irão direcionar o seu negócio de acordo com a lei e apresentar as melhores soluções.

2º – FAÇA A ABERTURA DE UMA EMPRESA:

Comece certo, a pessoa jurídica tem uma tributação menor do que uma pessoa física e essa abertura tem que ser direcionada por um contador especializado.

3º – FAÇA O REGISTRO DA SUA MARCA:

O que ocorre em muitas startups é as pessoas começarem seus negócios, mas esquecerem de registrar a marca. Acontece que aí vem uma outra empresa, com uma outra solução de mercado parecida com essa startup, registra a marca primeiro e aí todo o modelo de negócio da pessoa que criou inicialmente é prejudicado por conta disso.

Qual melhor tipo de empresa para abrir uma Startup?

Pensando na criação da startup, ou seja, no momento inicial, o melhor tipo é uma EMPRESA LIMITADA, uma SOCIEDADE LIMITADA, em que cada sócio tem a sua cota parte. É importante no início que a empresa esteja no regime de tributação do SIMPLES NACIONAL porque é um regime de tributação mais benéfico em relação ao pagamento de impostos. Portanto, paga-se menos impostos de forma legal. Para isso, o contador e/ou o advogado são responsáveis pela orientação dessas questões. O contador vai mapear o desenvolvimento do negócio com relatórios gerenciais (dash boards – gráficos) apontando direções para o sucesso da startup e, no momento certo, vai sugerir a alteração do regime tributário visando um crescimento seguro.

Ademais, inicialmente, esse tipo de pessoa jurídica no SIMPLES NACIONAL vai te gerar menos custos em relação à manutenção da contabilidade e é por isso que a maior parte das startups adotam esse modelo.

Como estruturar a sua Startup?

Há 4 principais focos:

  • TECNOLOGIA
  • MARKETING
  • PESSOAS
  • TERCEIROS

TECNOLOGIA, se no momento inicial não há possibilidade de grandes investimentos nessa área, provavelmente não será possível contratar um profissional de tecnologia para trabalhar na startup. A solução será contratar uma empresa terceirizada, que desenvolva aplicativos ou sistemas para solucionar essa dor de mercado que você está visando. No entanto, recomendamos, em algum momento de sua jornada em que os recursos sejam suficientes, investir nessa frente de tecnologia com sua própria equipe, ou seja, com profissionais exclusivos. Assim, será possível alcançar maior rapidez na validação e continuidade do negócio.

Outro ponto importante é o MARKETING. Investir no marketing da sua startup é muito importante, sendo com uma empresa terceirizada ou um profissional de marketing internamente, para que que ele direcione as campanhas, atenda e atinja principalmente o público que você está visando, ou seja, alcance o cliente que vai consumir seu serviço ou produto.

Outro ponto e aí depende de cada startup, ou seja, se a empresa necessita de um time de PESSOAS. Dependendo do seu ramo de atuação, do seu serviço ou dos seus produtos, poderá ser necessário pessoas (colaboradores) para dar andamento do dia a dia do negócio. É importante contratar profissionais pelo propósito daquela startup, profissionais que realmente gostem da ideia, que comprem a ideia e que estejam juntos com o empresário nessa jornada.

E por fim, não menos importante, são os TERCEIROS. Para estruturar a sua startup, é importante ter um parceiro que seja um contador e um advogado, para que eles possam direcionar o caminho do seu negócio com a experiência de mercado, adotada com outras empresas, e a capacidade técnica para alcançar a sustentabilidade e o sucesso da startup.

E aí, vem o X da questão: nesse mercado é muito comum se falar em investidores.

Compensa ter um investidor?

Primeiro raciocínio que deve ser desenvolvido é, o investidor é como um sócio do negócio; então, no momento que você recebe um dinheiro dele, você acaba tendo um sócio e precisa realmente pensar se vale a pena ter um investidor.

Portanto, recomenda-se que primeiro comece tracionando o seu negócio, ou seja, verificando se há uma aceitação no mercado. Se realmente tiver uma aceitação, é importante acompanhar alguns indicadores para mostrar para esse investidor. Há 3 principais indicadores que todo investidor vai pedir para olhar e vai pedir para analisar, são eles:

  • CAC – CUSTO DE AQUISIÇÃO DO CLIENTEQuanto a empresa investe com vendas e marketins x quanto ela traz de receita dessas ações.
  • CHURN – Quanto aquele cliente fica na sua base, quantos cancelamentos ou quanto a empresa não tem de pagamentos recorrentes;
  • LTV – LIFETIME VALUE – Quanto tempo aquele cliente segue comprando contigo ou fica na sua base mantendo aquele serviço ou produto de forma recorrente.

Isso é muito importante para o poder de decisão desse investidor. E nesse momento inicial, depois que validou isso, o melhor investidor é o FFF, já ouviu falar? FAMILY, FRIENDES AND FOOLS.

FAMILY, FRIENDS AND FOOLS, são os primeiros investidores do seu negócio. É o pai, a sua mãe, os amigos ou até terceiros mais próximos que realmente acreditam no projeto do empresário. Então é muito melhor convencê-los do que convencer um investidor totalmente aleatório; então procure o FFF inicialmente. E aí, é preciso que você tenha uma CONTABILIDADE BEM ESTRUTURADA e um VALUATION da sua empresa, e assim o investidor vai se sentir muito mais tranquilo e seguro.

Então, é muito importante que você tenha todos esses dados porque o investidor vai questionar e pedir para comprovar na PRÁTICA.

Sobre a questão do investimento, se o investidor for uma PESSOA FÍSICA, ele não paga o IOF quando ele aporta na sua empresa (IOF = 0,38% sobre o valor aportado). No entanto, se ele for uma PESSOA JURÍDICA, nesse caso, aí sim pagará o IOF.

E já ouviu falar em Contrato de Mútuo Conversível?

Essa é a forma mais utilizada pelos investidores para que possam investir em startup’s. Esse contrato É UMA MODALIDADE DE INVESTIMENTO  que é possível CONVERTER A QUANTIA EMPRESTADA EM PARTICIPAÇÃO DA EMPRESA. É muito simples e concede uma grande segurança para o investidor, porque o valor investido não está atrelado à empresa, o investidor não consta no quadro societário e não há nenhuma mistura patrimonial, ou seja, eventuais problemas que poderão atingir a esfera do investidor ou da empresa não ficam (exemplos: questões trabalhistas, tributárias, entre outras).

Por qual motivo o contrato de Mútuo Conversível é tão importante principalmente na conversão de Sociedade Limitada para Sociedade Anônima?

Normalmente a startup, no momento inicial, é aberta como uma sociedade limitada no Simples Nacional, mas com o crescimento e aumento de investidores recomenda-se uma conversão em AS (Sociedade Anônima). E por qual motivo isso ocorre? Para não pagar o IMPOSTO DE RENDA SOBRE O ÁGIO.

O que é ágio?  Trata-se basicamente da diferença entre o valor efetivamente pago por um título (valor de mercado) e o valor nominal do papel (valor contábil que consta com a valorização das cotas), sendo comum que esta diferença seja decorrente da expectativa da rentabilidade futura da empresa. No caso das sociedades limitadas já está firmado pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (órgão que julga litígios em matéria tributária) o entendimento que a diferença positiva entre o valor nominal das cotas e o efetivo aportado na sociedade é receita passível de Imposto de Renda (IR), e Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL), além de PIS e COFINS. Por outro lado, conforme o artigo 38 do Decreto-Lei nº 1.598/77, quando se trata de Sociedades Anônimas, não são computadas na base de cálculo do IR e da CSLL os valores recebidos à título de ágio na emissão das ações, o que justifica a transformação societária nos contratos de mútuo conversível.

Considerações Finais

O caminho do sucesso deixa pistas e você pode seguir o caminho de empresas de sucesso, estruturando a sua startup antes e ganhando celeridade na obtenção desses resultados.

Para isso, todo empresário que pensar em criar uma Startup precisa de uma assessoria especializada para acompanhá-lo nessa jornada, desde o início da sua empresa no Simples Nacional até se tornar uma Sociedade Anônima e ter grandes investimentos.

O SERAC é a empresa especializada nesse segmento que busca olhar para o negócio de seus parceiros com a visão de dono, auxiliando na obtenção dos melhores resultados por meio de estratégias de negócios, melhores práticas contábeis e tudo isso dentro da lei.


Share article on

Related Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *